Saturday, February 25, 2012

Lindy Fralin Blues Specials e Sergio Rosar Blues


Algum tempo depois de começar a estudar a compreender sonoridades, testar captadores e guitarras virou um vício difícil de controlar e a pesquisa por diferentes designs e técnicas de construção afim de obter-se um som específico não tem fim. Isso já me levou a testar quase toda a linha da Seymour Duncan, uma grande parte dos DiMarzio, todos os modelos (lançados e não ) do Sérgio Rosar, todos os singles da Fender, etc. Com o tempo essa coisa toda vira uma espécie de biblioteca sonora, e que ajuda muito na hora de alcançar um certo timbre.

Pois bem, eis que em uma das minhas caminhadas pelas lojas de música de Curitiba, revendo amigos e batendo papo vi em uma vitrine um set de singles com capinha "Old White". Quando perguntei ao Carlos (Loja do Músico) o que era ele me disse que era um set de Lindy Fralins Blues Specials.

Abrindo um parênteses, Lindy Fralin é um dos mais renomados Pickup Winders dos Estados Unidos e é extremamente famoso pelos seus singles, tanto para Strato como para Tele. Vale a pena dar uma conferida no site www.fralinpickups.com , onde ele tem videos e especificações de seus modelos.

Os Blues Specials estão entre os modelos mais famosos de Lindy Fralin, conhecidos pela sua clareza sonora, complexidade harmônica e timbre mais "gordo", que o próprio Fralin define como ideal para solistas melódicos. Não é a toa que esse set leva esse nome. Como eu nunca havia testado um set do Lindy, e não se acha esses pickups por aqui, num acesso de G.A.S. comprei os bichos.

Chegando em casa, maluco para escutar o que eles realmente falavam ( e verificar se são mesmo tudo aquilo que os Forums gringos clamam) tirei-os da caixa de instale-os na minha Strato de ASH com braço e escala de Maple, onde estava um set de Sergio Rosar Blues. O Blues Specials é feito com magnetos de Alnico V, e fio Plain Enamel 42AWG tenho perto de 6k nos caps do braço e meio e quase 7k na ponte. Essas especificações são características da famosa era 60s da Fender, especialmente pré-CBS até 63, com aquele som característicamente mais "gordo" e com mais ataque e estalo que as dos anos 50. Se você pensou em Stevie Ray Vaughan você acertou em cheio. Sua Number #1 mais famosa, era uma Strato 62.



O fio Plain Enamel, possui características muito peculiares de condução e capacitância do isolamento que interferem diretamente na sonoridade do captador. Técnicamente é um fio "inferior" aos modernos fios esmaltados, e é justamente essas falhas que fazem ele ter essa característica tão peculiar. É facilmente identificado pela colocação mais escura, meio marrom e as vezes avermelhada:






Instalados, guitarra afinada pluguei no meu amp e toquei as primeiras notas. O som era mais ou menos o esperado das especificações, um timbre focado, com ataque bem definido e amplo, graves firmes um pouco menos de agudos e mais força que um single tradicional como o Seymour SSL-1 por exemplo. Em comparação ao Texas Specials (famoso por vir na Fender SRV) ele soa bem mais claro e articulado, com menos informação de graves e um pouco mais de agudos que dão ao som uma compressão muito bonita e agradável. Com drive ele mostra sua cara MUITO bem, com muita definição e sem quase nenhuma magreza que alguns singles tradicionais como o 57/62 as vezes podem apresentar, e de novo remetem ao bom e velho SRV (especialmente se usarmos um Tube Screamer para isso). Nada de timbres cristalinos de Fender por aqui, eu diria que eles são sinônimo de timbres gordos de Strato, com corpo mas mantendo toda definição dinâmica e articulação tão essenciais para os Strateiros de plantão.

Gravei a introdução de Texas Flood rapidamente pra vcs poderem ouvir o que eu escrevi:




Tudo isso já era esperado e batia com o que eu havia lido em todas as reviews deles em Forums etc. O que eu não esperava era que eles soassem TÃO PRÓXIMOS ao set Blues do nosso mestre Sergio Rosar que estavam na mesma guitarra. Pra falar a verdade, só saberia diferenciar mesmo pois eu mesmo havia trocado os captadores, tanto que gravei exatamente a mesma frase na mesma guitarra com o Rosar Blues pra ouvir A/B e tirar a prova:






Abrindo mais um parenteses, o Blues (Assim como a maioria dos pickups Rosar) tem construção moderna e completamente diferente do Blues Specials especificamente, usando fio Polysol modernos que são o estado da arte em termos técnicos. Geram baixíssima capacitância e alta conductividade características que tem pouca perda de sinal ao longo da bobina, mas que em termos de som pode significar mais agudos e um som mais Hi-Fi. Se esses fatotres não forem levados em conta na confecção dos pickups a fim de serem tratados corretamente podem resultar em um som agudo e "harsh". Sorte nossa que o Sérgio é extremamente perfeccionista, e conhece muito bem o material com que trabalha sabendo lidar com ele para obter o máximo possível.











As diferenças são muito pequenas. O Rosar tem ainda mais força e poder de fogo, com um pouco mais de informação de médio-graves que o Fralin ainda retendo toda a clareza e definição. As pontas da EQ Blues são um pentelho mais amplas também, ou eja, graves e agudos um pouco mais arejados (olha o DNA Rosar aí..), que equilibram com a força maior do Blues.

Conclusão:

Não consegui ouvir nada nos tão aclamados Fralins que fosse estupidamente superior aos nossos Rosar e falo sem a menor sombra de dúvidas que estão no mesmo nível de sonoridade.

Alguns podem gostar da resposta mais mansa do Blues Specials, enquanto outros vão amar a leve agressividade do Blues, mas fato é que ambos são captadores fantásticos, que cumprem o que prometem, um timbre gordo e claro com ótima definição e corpo sem embolar ou soar abafado. Absolutamente tudo o que eu comentei e observei nos Blues Specials se aplicam ao Rosar Blues.

Conhecendo o Sergio, e sabendo de sua ânsia em oferencer NADA alem do perfeito, não deveria me surpreender em constatar a excelencia de mais um de seus modelos!

Se vc é adepto de uma Strato mais gordurosa, o Sérgio Rosar Blues te fará uma criança muito feliz. Seu bolso também vai suspirar aliviado !

4 comments:

  1. Jr.,
    Achei o som do Blues Rosar melhor, sinceramente sem quer puxar o saco:)
    Na comparação, os agudos do Fralin me soaram algo espalhados demais. Sobrando...

    ReplyDelete
  2. Ótimo post, Junior. Bom saber que dá pra contar com um produto nacional com preço acessível e com qualidade internacional. Uma coisa é ler isto no próprio site da empresa, outra é em um blog especializado.

    P.S: No blog do Paulo tem um link lateral para a sua loja e aqui que é seu blog não tem. rs

    Abraços.

    ReplyDelete
  3. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  4. Boa tarde, meu amigo, parabéns pelo blog! Por favor, me da uma ajuda. Tenho uma strato jimmie vaughan (alias, conhece o modelo? Eu gostei bastante) ela é de alder com maple e eu to achando o som dela um pouco brilhante e agudo demais... Vi esse post e fiquei pensando, acho que esse pickup do rosar casaria bem com a minha guitarra pra ter um som mais gordo e com mais médios-graves (sim, mais SRV)... Apesar deles nao usarem braços em maple busco um som na praia SRV e Rory Gallagher.. Obrigado!

    ReplyDelete